Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Uma espécie de vida

Semana 41: As coisas mais difíceis num relacionamento amoroso são...

Não não morri, meio apagada mas cá anda. 

Esta semana a minha vida deu uma volta de 180º e não para positivo. Tenho andado sem motivação e a pouca cabeça que tenho é para me tentar orientar.

Ontem devia ter respondido ao desafio mas falhei ( mais uma vez) mas estou cá hoje  por tanto bora lá :D

 

Eu vou falar das coisas que eu acho difíceis para mim! Com a minha  experiencia

 

A outra pessoa aceitar que às vezes quero e preciso de estar sozinha

Ok nós fomos feitos para viver em comunidade o que não quer dizer que eu às vezes não queira estar no meu canto sossegada ou não me apeteça falar... para os homens não. Estar sozinha é sinal que estamos chateadas e pronto não nos largam até dizermos o que se passa.. tanto chateiam que aí fico mesmo chateada quando só me queria recolher um pouco...

 

Tentar mudar-me

Eu sou como sou... Tenho um feitiozinho da merda? Tenho. Não há ninguém que conviva comigo que não o saiba muito menos um namorado meu. Se há coisa que eu faço questão de frisar é que tenho um feitiozinho da treta e que é necessário paciência.. Depois é só esperar uns mesitos até começar a transformação...

 

Gerir vidas

Quem já está em estados mais avançados não sente este problema mas quando ainda estamos no inicio não quer que vá logo para minha casa nem eu para a dele...  além de falta de sitio também há o estou cansado, o já tenho café combinado com o zé manel que não vejo há 3 meses, fiquei de ajudar a minha mãe enfim... acontece. Eu sei que quem quer faz acontecer mas não podemos desligar do resto do mundo. Temos de encontrar soluções... e às vezes é difícil encontrar essa solução... E a vida não está boa para dia sim dia não atravessar 3 concelhos para ir ter com o baby certo... enfim

 

Tomar decisões em conjunto

Este já é no estágio mais avançado.... um quer sair de casa outro não. Outro quer casa com dois quartos outro com um. Um quer férias de carro dentro do pais e outro quer conhecer o mundo. Um quer comer coisas boas o outro opta pelas porcarias... Mais uma vez não é impossível mas pode não ser fácil. Já tive um namorado que acabou comigo porque eu com 24 anos estudava, vivia com os meus pais e queria conhecer o mundo em vez de começar a procurar um trabalho qualquer para sair de casa dos pais...  A partir de uma certa idade não basta gostar... é gostar e saber se queremos passar os próximos anos ( para não dizer o resto da vida) com aquela pessoa...

 

 

Por fim não podia faltar a confiança... já passei por tanto que sou desconfiada por natureza... não acredito em bons partidos solteiros... se ninguém lhes pegou ainda algum defeito grave há! Escrevam isto!!

Podemos até amar de morte uma pessoa mas sem confiança essa relação não vai a lado nenhum.